Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

POESIA ÀS ESCONDIDAS

Mais de mil poemas escritos às escondidas De António Codeço (1976 - 20??)

Mais de mil poemas escritos às escondidas De António Codeço (1976 - 20??)

Meu Pequeno Rock Star

Ao meu fillho Eduardo... para ler

daqui a vinte anos

 

Era a mais brilhante estrela

Que num palco cintilava

Com apenas oito anos

A guitarra já tocava

Como se tocasse há tempos

Nem o sol o atrapalhava

E num estilo muito rock

Em palco, se entusiasmava

Vestia branca frescura

E botas pretas calçava

E num estilo sempre rock

Sua cabeça abanava,

Sorrindo para a plateia

Sua energia enviava

Parecia adulto, maduro

Que no palco ali estava.

 

Com apenas oito anos

A leitura o acompanhava

Trazia livros da escola

E comigo os partilhava

Ao deitar, antes do sono

Que o sono, nunca o domava

Líamos juntos os livros

Os livros que me mostrava

E as dúvidas de criança

Curiosas coisas lhe dava

Queria tudo saber

Tudo para ele era nada,

Do Cristiano Ronaldo

Cujas fintas imitava

Com sua bola de pano

Golos em casa marcava

Relatos bem detalhados

De jogos que imaginava

Fazia duas equipas

E assim, sozinho, jogava.

 

Sobre as coisas que entendia

Perfeitamente explicava

Sobre a comida das flores

Do que a flor se alimentava

E flor bonita que visse

À Valentina ofertava

Depois de «obrigada» dela

Um terno beijo lhe dava.

Mas seus dias eram longos

Cansado ao lar retornava

Trazia coisas da escola

Mas tão cedo as terminava.

Não perdia os Slug Terra

Na TV e outros gostava

E algum jogo do Benfica

Que seu pai golos gritava

Mais os cromos da Panini

Que na caderneta colava

Se por bom comportamento

O seu pai recompensava.

 

Com apenas oito anos

Já Iron Maiden ouvia

Que logo pela manhã

No hábito, um álbum escolhia

Na pergunta matinal

Qual o CD que escondia

Atrás das costas, e o pai

Um nome qualquer respondia,

No carro, a música alta

Soava ao raiar do dia

E sua cabeça abanava

Enquanto refrões repetia.

Da escola, a pele esfolada

E em sangue os joelhos trazia

De quedas feias na estrada

Mas a bola ele só queria

Seja a guitarra ou a bola

Assim tempo dividia

Que já levava para casa

Curiosas histórias do dia

Com oito anos apenas

Era assim que ele crescia

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D