Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

POESIA ÀS ESCONDIDAS

Mais de mil poemas escritos às escondidas De António Codeço (1976 - 20??)

Mais de mil poemas escritos às escondidas De António Codeço (1976 - 20??)

As Contradições do Amor

O teu amor não foi entregue em vão

Nunca é em vão o nosso amor entregue,

Por mais que o teu coração te negue,

Pergunta-lhe se era amor ou paixão,

Também sobre a razão e a loucura,

Se é uma loucura a vida, então o amor,

Mascara-se de mal que nos dá dor,

Sem converter-nos a dor em ternura.

 

Longe de ti a culpa pertencer-te,

Se a culpa é um laço atado às mãos dos dois

Quebra-se a aliança, quebra-se depois

Desejo de viver a envolver-te,

Pois que esse amor fogoso, então se é fogo,

Devora-nos a íntima floresta,

Desfeita em cinzas, o que de ti resta,

Será que é fogo o amor que arde? Interrogo.

 

Frágeis, somos frágeis, assim vejo,

Quando tentamos ver do amor desígnios,

Se dele tenho ouvido mil declínios,

Parece-me mais fruto do desejo,

Pois quem ama não tenta defini-lo,

Quem ama, sofre e sabe o que é sofrer,

É muito mais do que esse bem querer,

Que a gente sofre para consegui-lo.

 

Mas parece-me justo e legítimo

Primeiro conhecer-se a pessoa errada,

Até que venha aquela bem amada,

que nos toca ao de leve o nosso íntimo,

Que absorve o amor como se fosse água,

E nos devolve em água ainda mais pura,

Que nos conforta, que nos dá ternura

Drenando da nossa alma angústia e mágoa.

 

Se já não crês que amada venhas ser,

Serás, pois te roubaram a esperança

Crê que virá alguém de confiança,

Dar-te o que te negaram, sem querer,

Cega-nos esse amor confuso e falso

Com falsas vibrações de uma paixão,

Estrela que nos guia à ilusão,

Levando-nos mais tarde ao cadafalso,

 

Pois que no amor o bem mal nos parece,

E o mal parece bem sem que bem seja,

Não podemos amar quem não deseja,

O mesmo bem que nosso amor oferece,

Perdoa aquele que não soube amar-te,

Mesmo que viva no arrependimento

Que no presente vem dar-te tormento,

O que não soube no passado dar-te.

 

Teu coração estará em alerta máxima,

Ao sopro melhor que há nesta vida,

Verás que ficarás como vencida,

Por quem querer-te vai dele estar próxima,

Ter o prazer da tua companhia,

Ver-te com meigo olhar sem os ferozes,

Olhos de lobos que são atrozes

Que muitos primam mais por ousadia.

 

Aquele que te amar fará sorrir-te,

Não pode ser quem te provoca o choro,

Quem vem grotesco encher-te de indecoro,

Que nunca quis amar-te nem ouvir-te

Há dessas almas que andam tão confusas,

Vacilam muito no querer amar,

Desconhecendo o nobre acto de dar

Nascidos num berço cheio de recusas.

 

Podia sobre o amor em vão perder-me

Pois sinto o amor em mim sentir é tudo,

Mais que explicá-lo, ou ser alvo de estudo

É sentir lentamente converter-me,

Amor é ver crescer flores à volta,

É dar por este altíssimo mistério,

Sentir que já foi reino, agora império

Sem que ódio sintas, culpa, dor, revolta

 

Amor não é um fogo que devora,

A nossa alma que é uma verde floresta,

Não pode ser fedor que tudo empeste

Tem que ser um bem que nos revigora,

Que nos reanima e nos devolve o gosto

Alegre de voltarmos a viver,

tem que ser bem benigno, tem que ser,

Nunca um maligno mal que dá desgosto.

 

Amor é um sopro vivo que se sente,

Na alma, um florescer, verde florir

Um rebentar em cor, um explodir,

De vida envolta, bela e sorridente

Que derruba altos muros, ergue pontes

Erguida pelo saudável diálogo,

Não pode em duas almas ser um monólogo

Como o vento falando aos verdes montes.

 

Lembrando que nos fere o agudo espinho,

Nas horas mais difíceis de inconstância,

Provando amor se é puro na constância,

No conforto do lar que é nosso ninho,

Que às vezes soa a uma contradição

Que não se entende, nem se acha sentido,

Anda-se cá na terra tão perdido,

Por ser complexo o humano coração.

 

Mas tudo vence, reina triunfante

Sobre os contraditórios sentimentos,

Que nos baralha tanto os pensamentos

Mas nos devolve à luz clara e brilhante,

Não vale a pena procurá-lo se ele,

Esconde-se ao sentir-se perseguido,

É um sentimento que vive perdido

O único com brandura ódio repele.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D